Mensagens3


Diário Secreto da Clareira

 

A Clareira, 18 de maio de 2016

 

Quando visualizamos a Clareira, a sentimos como que um “respiro” de Shamballa para o mundo. Uma minúscula célula de um grande projeto, ou Plano Divino. A forte presença da energia essencial KI nesses espaços construídos no Astral Superior, por um coletivo de mentes humanas conscientes do “Eu Sou” em consórcio com as elevadas entidades espirituais que formam a egrégore do grupo, qualificam esses espaços como moradas divinas, espaços alquímicos nos quais é possível projetar e construir o novo. Novos modelos e padrões para uma Nova Terra, numa nova Era.

Neste dia, em especial, fomos convidados a trabalhar com “bolhas de sonhos”. Consiste, praticamente, em “desenhar” nossos desejos, mentalmente, coloca-los numa bolha e entrega-los ao Cósmico. Mas só os desejos livres de egoísmo poderão ser entregues. Os desejos podem ser materiais, emocionais ou espirituais. Não há nenhum mal em desejar coisas materiais. A matéria é uma parte importante da integralidade do Ser e é o que nos permite agir na Criação Divina, não só como parte da Criação, mas como  cocriadores. 
É permitido desejar. É uma ânsia da alma humana, quando encarnada. O erro é desejar apenas para si mesmo, seguindo os próprios interesses e padrões de escolha. Busque desejos que possam beneficiar a todos, dedique suas vitórias e conquistas ao bem de todos os seres, tal como está implícito no voto que fazemos durante a cerimônia de Tomada de Refúgio, no Budismo Tibetano:

No Budha, no Dharma e na Sangha eu me refugio até alcançar a iluminação.  Que através da minha prática da compaixão e da caridade possa eu alcançar o estado de Buda em benefício de todos os seres. “

O bem de todos os Seres, desde o reino mineral ao reino humano, deve ser a inspiração dos desejos que colocamos nas “bolhas de sonhos” e enviamos ao Cósmico, à Mente Divina, que em sua Providência, sabe o tempo certo de maturação para cada um desses desejos bem como suas consequências.

É também por intermédio do Budismo que conhecemos Shamballa, o “Centro onde a Vontade de Deus é conhecida”.  Shamballa é o centro místico, constituído a longas eras desde a criação de nosso planeta. Integra os melhores sonhos da Humanidade, inspirados pelas mentes mais evoluídas que já passaram por aqui. Nossos avatares, irmãos e irmãs mais velhos, mestres e mestras da Grande Fraternidade Branca que já ascenderam, mas que ainda mantêm parte de suas existências nesse espaço místico, cujas raízes se proliferam pelo Planeta Terra. Há notícias de Shamballa no mundo inteiro. Ela segue com o Plano Divino de acompanhar a Terra em seus estágios de ascensão. Por isso, suas marcas, portais e embocaduras estão atualmente em todos os continentes. São os ensinamentos que emergem desse Centro que inspiram o trabalho de diversos grupos, que “guardam’ a Luz e a compartilham com todos os seres.  A Clareira, portanto, é um portal para uma “Pequena Shamballa”. Uma célula que buscamos construir para contribuir com os fundamentos da Nova Terra. Seu objetivo é  permitir experimentar a “leveza” de Shamballa bem como seus princípios, para leva-los à vida cotidiana e a todas as nossas relações. Lembrar que estamos aqui, neste planeta, para cultivar esses princípios no nosso coração e no daqueles com quem nos relacionamos, das mais diversas formas possíveis. É desta forma que podemos, de fato, “amar nossos inimigos”.

Despertar, aplacar, fortalecer!
Que assim seja!
 

Comentários

Postagens mais visitadas